MG – Serras Verdes

Vinte cidades compõem o Circuito Turístico Serras Verdes: Bom Repouso, Brazópolis, Bueno Brandão, Cachoeira de Minas, Cambuí, Camanducaia, Conceição dos Ouros, Consolação, Córrego do Bom Jesus, Estiva, Extrema, Gonçalves, Itapeva, Natércia, Paraisópolis, Pouso Alegre, Sapucaí Mirim, Senador Amaral, Tocos do Moji e Toledo.

A paisagem é cortada por belas cachoeiras cercadas por flora e fauna remanescentes da Mata Atlântica. Boa parte da região se situa dentro das APAs – Áreas de Preservação Ambiental, o que permite que as majestosas florestas de araucárias, cartão postal da Serra da Mantiqueira, permaneçam intocadas. As cidades que formam o Circuito mantêm os hábitos de vida simples. Estão presentes nesse cotidiano o fogão a lenha, as quitandas, o queijo artesanal, doces, geléias e pães, além dos pratos típicos da apreciada cozinha mineira. Esses hábitos, aliados ao conforto, marcam o serviço oferecido por hotéis e pousadas que se espalham pelas montanhas.

A previsão era boa e o Alfredo enviou esta foto logo cedo confirmando e o Zan resolveu fotografar tudo.

O Alfredo esperou umas 2 horas aqui no PE da Fernão, pois a Blue do Chacon resolveu que não tava a fim de trabalhar e deu pane elétrica na Ponte do Limão, conseguimos voltar até a Sumaré onde ela deu o último suspiro.

Encontrei o Zan no McDonalds da Caetano Alvares com Voluntários e fomos pela Estrada da Roseira, saindo em Mairiporã (somente indicado este caminho pra quem conhece a ZN).

Seguimos pela Fernão até Pouso Alegre, trecho com asfalto muito bom, pouco trânsito e curvas de raio longo de maneira geral. Não entrar na primeira placa de Pouso Alegre, seguir mais uns 4 kilometros até o trevo para Itajubá. Abastecer no BR do trevo, pois depois não tem muita opção.

Seguimos em direcão a Sta Rita do Sapucaí e passamos a entrada para Cachoeiro de Minas, o circuito das Serras Verdes propriamente dito (esta entrada fica ANTES da cidade acima). Confabulacão rápida e seguimos por uma estrada deliciosa até Piranguinho, a auto-proclamada Capital Nacional do Pé-de-Moleque. Foram uns 30 km de pura curticão, parada na barraca branca para comer o danado (existem as barracas, vermelha, azul, verde, prata, amarela e branca).

Dali seguimos por uma deliciosa estradinha com asfalto muito bom, curvas ótimas e paisagens deslumbrantes. Passamos Brasópolis, Paraisópolis (onde a estrada anterior iria desembocar), Gonçalves, São Bento do Sapucaí (com visão maravilhosa da Pedra do Baú), conexão com a SP 50 e entrada à direita para Santo Antonio do Pinhal, onde paramos pois o Zan estava com fome pra variar.
Os últimos 20 km desta estrada estão sendo recapeados e havia dois bloqueios com parada de tráfego, onde passamos rapidamente e 1 km na base do asfalto. Postos de gasolina são bem meia-boca por aqui, melhor abasatecer nas cidades.

Resolvemos parar no Santa Truta em Sto Antonio do Pinhal, tendo que atravessar toda a cidade, passando pelo Shopping do Picanha & Pasta. Restaurante bem agradável, comida ótima, encontramos o Plabo e sua filha Daphne, amigos do Zan lá do HD Group.

Papo muito agradável e retorno conjunto até SP, abastecemos no final da Serra no posto Castelão, que quebra bem o galho, pois depois disso, somente o Frango Assado da Carvalho Pinto.

O retorno foi agradável, mas o Zan estava com piriri e resolveu correr até o banheiro, elevando um pouco a média do retorno.
O Alfredo seguiu pela Dom Pedro para Atibaia e fiquei pensando que poderíamos ter seguido por Itajubá até Lorena, voltando pela Dutra ou sei lá, aquelas estradas são um tesão.

Belo passeio, bons companheiros e uma pena o piti da Blue, o Chacon teria se divertido um monte…

By DRPJ


Serras Verdes MG

[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_16.jpg]1490
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011.jpg]1210
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_8.jpg]1370
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_9.jpg]950
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_17_0.jpg]900
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_7.jpg]880
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_4.jpg]910
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_13.jpg]830
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_14_0.jpg]820
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_10_0.jpg]830
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_11.jpg]830
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_6.jpg]820
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/serras-verdes-mg/thumbs/thumbs_piranguinho_2011_3.jpg]840

Tecle no botão FS para visualizar em tela cheia.


Paradas para descanso
Devido ao traçado do trajeto o melhor ponto de encontro é o Posto Frango Assado da Rod. Fernão Dias.

Pelos relatos apresentados, uma boa parada para descanso é Piranguinho onde se pode provar as delícias locais, já que a cidade é conhecida como capital do pé-de-moleque.


Trajeto


Situação das estradas
A Rod. Fernão Dias tem recebido vários investimentos para sua duplicação e recuperação tornando-se uma opção interessante para passeios de moto graças ao seu traçado sinuoso, no entanto merece atenção devido ao fluxo intenso e a presença constante de caminhões.

Atenção no acesso à Itajubá, pois há uma lombada exatamente na alça de saída da Fernão Dias e pode pregar um bom susto nos desavisados.

Pelos relatos as estradas do Circuito das Serras Verdes estão em bom estado de conservação.

Comments are closed