SP – Araras

Buscando um destino que ficasse até uns 200 kms de São Paulo, que ainda não conhecesse acabei esbarrando na cidade de Araras, não chegamos a explorar a cidade, que parece muito bonitinha, por que nosso destino era o almoço no Restaurante Rovigo que foi uma grata surpresa que merece um parágrafo especial.

A cidade de Araras completou 150 anos este ano, limpa, com ruas configuradas como a maioria das cidades do interior, estreitas e com transito, mas não chega a ser um incomodo.

Logo no início do século XX, a cidade também foi pioneira numa das primeiras comemorações ecológicas do país, a Festa das Árvores, em 7 de junho de 1902. Também foi nessa época que se iniciou a atividade que atualmente ainda movimenta a maior quantidade de divisas na cidade: a monocultura de cana-de-açúcar. Inicialmente, o cultivo era voltado para a produção de açúcar, mas hoje a maior parte das colheitas são destinadas à produção de etanol (álcool combustível).
A instalação da primeira fábrica da Nestlé no Brasil foi em Araras, em 1921, sendo, à época, a segunda maior, menor apenas do que a sede em Vevey, Suíça. Até hoje, a multinacional suíça representa um dos maiores contribuintes para as receitas do município, além de criar muitos empregos.

O restaurante Rovigo, impressiona desde o momento que se chega à porta, muito bonita a arquitetura, tudo muito elegante sem exageros, numa proposta de acabamento simples mas de muito bom gosto e sofisticação. O atendimento excelente, um cardápio gourmet muito bem preparado e com opções que agradarão à maioria, não é necessariamente barato, mas se optar pelo almoço executivo se surpreenderá com a qualidade e preço razoável, optando pelas opções do cardápio o preço é justo pelo que oferece, em resumo, vale a pena e merece um novo passeio, mas desta vez em um final de tarde para aproveitar o ambiente elegante e com um toque romântico, pode-se dizer, excelente para um jantar no terraço, com uma bela vista.



Tecle no botão FS para visualizar em tela cheia.


Paradas para descanso
Como não estávamos em grupo as paradas para descanso se resumiram a uma única parada para abastecimento e ajustar a pressão dos pneus no posto Graal 125 Norte, onde tomamos uma providencial água de coco já que o termômetro da moto marcava 38º.


Trajeto


Situação das estradas
Não há o que dizer sobre o trajeto, seguindo pela Rod. dos Bandeirantes até a Rod. Anhanguera não tem como errar neste passeio, excelente asfalto, só exige mais atenção até próximo à Campinas, onde o transito é intenso.

Comments are closed