SP – Bueno de Andrada

Uma das atividades que mais me dedico é a busca de novos destinos para passeios de moto que tenham algum atrativo turístico e que atendam alguns requisitos como distância, tempo de trajeto, em uma destas pesquisas esbarrei na cronica de IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO que mencionava o belo trajeto até Bueno de Andrada e as famosas coxinhas douradas do Bar do Freitas.

Com isto em mente partimos de São Paulo às 8 da manhã, com objetivo de chegarmos à Bueno de Andrada às 11 horas aproximadamente, para isto foi necessário manter um ritmo forte e sem paradas, um pouco puxado, mas conseguimos nosso intento, felizmente diga-se de passagem, por que ao chegarmos conseguimos fazer nosso pedido e desfrutar deste delicioso quitute, mas quem chegou 30 minutos depois enfrentou uma fila de pelo menos 30 pessoas.

Não posso deixar de falar um pouco das famosas coxinhas, grandes, bem recheadas, o tempero impecável, massa de batata, frita e extremamente seca nem dá para saber se é frita, vale a pena conhecer não só pelas coxinhas, mas pelo belo trajeto.

Retornando à São Paulo, aproveitamos para almoçar, se é que era possível depois das coxinhas, no Beatniks em São Carlos, veja o nosso passeio realizado anteriormente para mais informações.



Paradas para descanso
Não faltam bons locais para parada neste trajeto, vários postos Graal, destacando-se o Sul 125, a rede Frango Assado e logicamente o conhecido point de motociclistas o Shopping Serra Azul.


Trajeto


Exibir mapa ampliado


Situação das estradas
As estradas deste percurso estão em excelente estado de conservação e permitem manter um bom ritmo com segurança, para ter acesso à Bueno de Andrada, siga pela Rod. Washington Luiz e ao chegar em Araraquara passe o posto da Polícia Rodoviária e pegue a próxima saída alguns kms à frente, para ter certeza que pegou o acesso correto à sua esquerda você passará pela Unip e um Shopping, siga sempre em frente e oriente-se pelas placas para Bueno de Andrada, é bem sinalizado e não terá problema em acessar a estradinha para lá.

Comments are closed