SP – Iguape

Uma bela manhã de sol brindava àqueles que se dispunham a sair para um passeio de moto, desta vez o destino foi Iguape no sul do estado de São Paulo, mas para tornar mais divertido nada melhor do que uma boa serra e alguns kms a mais no trajeto, desta forma decidimos seguir pela Rod. Castelo Branco, cruzando Votorantim e Piedade até a serra de Juquiá/Tapiraí.

Infelizmente não tivemos oportunidade de explorar melhor os atrativos turísticos de Iguape devido ao tempo limitado que tivemos na cidade, mas há uma série de bons passeios pelo casario histórico ( mal conservados ) e pelas trilhas da região.

Para o almoço optamos pelo restaurante Panela Velha, no centro histórico, tem porções fartas e bem preparadas, não se assustem com o preço dos pratos, pois servem muito bem 2 a 3 pessoas, um exemplo é o Peixe Embarcado, a foto está na galeria, serviu 3 glutões e ainda sobrou suficiente para mais um.

Controvérsias à parte, pode-se afirmar que Iguape nasceu com o Brasil. A data de fundação da cidade é desconhecida, sendo escolhido o dia 3 de dezembro de 1538 como a data oficial. Sua fundação é atribuída ao degredado português Bacharel Cosme Fernandes – vulto dos mais controvertidos da história pátria –, juntamente com o aventureiro castelhano Ruy Garcia de Mosquera.

O Bacharel chegou na região em 1502, segundo o historiador Francisco Adolfo de Varnhagen, vindo na armada de André Gonçalves, que tinha como piloto Américo Vespúcio. Ruy Moschera, vindo com um grupo de castelhanos do Rio da Prata, se estabeleceu em Iguape entre 1532 e 1534. Junto com o Bacharel e seus índios, Moschera atacou São Vicente, que saqueou e incendiou, fugindo, depois, para Santa Catarina e dali para o Rio da Prata.


Iguape

[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2558.jpg]1080
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2559.jpg]970
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2560.jpg]850
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2561.jpg]770
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2562.jpg]740
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2563.jpg]690
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2564.jpg]690
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2565.jpg]660
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2566.jpg]680
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2567.jpg]650
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2569.jpg]630
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2571.jpg]630
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2572.jpg]650
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2574.jpg]650
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2575.jpg]650
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2577.jpg]650
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2579.jpg]640
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2580.jpg]660
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2581.jpg]710
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2582.jpg]700
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2583.jpg]760
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2584.jpg]740
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2585.jpg]710
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2586.jpg]670
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2587.jpg]660
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2588.jpg]630
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2589.jpg]760
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2590.jpg]730
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2591.jpg]810
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2592.jpg]830
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2593.jpg]840
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2594.jpg]770
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2595.jpg]710
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2596.jpg]660
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2597.jpg]630
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2598.jpg]600
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2599.jpg]590
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2600.jpg]580
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2601.jpg]590
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2602.jpg]570
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2603.jpg]550
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2604.jpg]550
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2605.jpg]520
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2606.jpg]520
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2607.jpg]530
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2608.jpg]560
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2609.jpg]530
[img src=http://www.passeiodemoto.net.br/wordpress/wp-content/flagallery/iguape/thumbs/thumbs_dscf2610.jpg]560

Tecle no botão FS para visualizar em tela cheia.


Paradas para descanso
A saída foi do Posto Graal Gugu na Rod. Castelo Branco, bem estruturado e já é um ponto de encontro tradicional de motociclistas que pretendem seguir viagem por esta rodovia.

Aproximadamente 160 kms de Sâo Paulo a ultima parada de abastecimento antes da serra é a cidade de Tapiraí, um posto pequeno e sem bandeira, mas com bom combustível, aproveite a chance de esticar as pernas, pois a próxima parada somente em Juquiá, no fim da serra, embora não esteja muito distante, aproximadamente 60 kms, é um trecho travado devido às inúmeras curvas com asfalto ruim, portanto uma alongada nas pernas e uma água refrescante é bem vinda, principalmente levando-se em consideração a temperatura bastante alta para a época.

No trajeto de retorno satisfaça-se em parar onde for possível, por que não há nenhuma boa opção de parada como podemos encontrar nas grandes rodovias.


Trajeto


Situação das estradas
Com exceção da Rod. Castelo Branco e pela parte da Rod. Raposo Tavares as demais estradas do trajeto de ida estão muito mal conservadas, muitas imperfeições no asfalto e buracos, nada que traga um grande risco, mas há necessidade de adequar-se à velocidade à estas condições, assim como manter-se atento.

No trejeto de retorno a situação é bastante semelhante, asfalto irregular e mal conservado, melhorando muito a partir das proximidades de Itanhaém, deste ponto em diante a Rod Pe. Manoel de Nobrega e Imigrantes estão em perfeitas condições, com ressalva ao constante problema com neblina no alto da serra que torna o tráfego intenso, forçando a subida da serra em quase a sua totalidade pelo corredor.


Pérola

Gostaria de ter a coragem de fazer as coisas sem medo de ser feliz – by DRPJ

Uma menção especial pela moto do Willy, que com o seu visual inusitado conseguiu alcançar o seu objetivo, era a única moto do grupo que eu conseguia localizar pelo espelho à noite

Comments are closed